29/07/2008

Geraldo Reis - A Toca da Serpente - A Garganta da Serpente

Geraldo Reis - A Toca da Serpente - A Garganta da Serpente


ACALANTO DE PAPEL, PARA UM AMIGO VERDE

(Para Pascoal Motta, amigo e mestre, autor de VER DE BOI, poemas).

I

Com as digitais do vento
gravarei teu nome
nas asas das aves

com as digitais do vôo
gravarei teu nome
nas púrpuras do azul

com as digitais do gado
gravarei teu nome
na amplidão do berro

com as digitais do futuro
gravarei teu nome
no brilho da promessa

com as digitais da manhã
gravarei teu nome
na epiderme do dia

com as digitais do canto
gravarei teu nome
na ossatura da pauta

com as digitais do encontro
gravarei teu nome
na pele da ausência

com as digitais dos lanhos
gravarei teu nome
na permanência do sangue

com as digitais da escuta
gravarei teu nome
no ouvido da noite

com as digitais de exílio
gravarei teu nome
na embarcação dos afogados

com as digitais da idade
gravarei teu nome
no coração do tempo

com as digitais da permanência
gravarei teu nome
no aperto de mãos
para sempre adiado

II

onde se acautelam de novas borrascas
o hálito impuro de Deus e o barro novo ainda imóvel
escreverei teu nome

onde a graminácea é como um pôr-de-sol bovino
na celebração pacífica das heras envolvendo
a estrela que há de domar o pântano
mais escreverei teu nome

onde o décimo algarismo abafará toda metáfora
e toda viagem
e toda efígie e todo verde
escreverei teu nome

onde os últimos bardos serão precipitados com seus versos
e com seus barcos
e com seus remos e salmos como sementes vencidas
escreverei teu nome

onde os poemas tão somente imaginados
estarão dormindo para sempre
como no fundo de uns olhos verdes já mortiços,
apagados, talvez, quem sabe,
mais e mais escreverei teu nome

III

teu nome que é ouro
vencendo a indiferença dos búzios e da distância

teu nome que é porto
domando as iras das águas e dos abismos

teu nome que é susto
vencendo a indiferença dos galos e dos embrulhos

teu nome que é verde
dominando toda a extensão dos pântanos e da clorofila

teu nome que é memória
e que reverdece a metáfora na gestação da ausência

IV

aqui se acautelam de novas borrascas
o hálito impuro de deus e o barro novo ainda imóvel

aqui, o abismo será vero esquecimento
depois que o teu corpo imolado
se repetir na pupila dos afagos

aqui, vencendo a rocha,
a dura eternidade e as acácias
escreverei teu nome

aqui, na esquina dos antigos versos do que foi Minas,
e do que foi um dia a tua infância
em territórios remotos, barrocos e pastoris
escreverei teu nome

aqui, durando como os martelos de teu pai
apascentando pesados fardos de sola para sapatos e arreios
donde pisar a eternidade e cavalgar o sono
escreverei teu nome

aqui, onde o barro novo se debate
ao sopro impuro de Deus
e se contorce de um novo nascimento
ao lado de tua mãe soprando
o fogo da poesia no cerne da candeia
escreverei
teu nome
que é paz

qual bandeira hasteada
na memória do vento

qual memória que é luz
afável, permanente

escreverei teu nome que é fogo
que é verde
e que atravessa

incólume

a escura montanha
do vero esquecimento.



(Geraldo Reis)

Nenhum comentário:

POESIA BRASILEIRA IMPRESCINDÍVEL

  • A CONTINGÊNCIA DO SER - Célio César Paduani
  • A INSÔNIA DOS GRILOS - Jorge Tufic
  • A ROSA DO POVO - Carlos Drummond de Andrade
  • A SOLEIRA E O SÉCULO - Iacyr Anderson Freitas
  • ARTEFATOS DE AREIA - Francisco Carvalho
  • AS IMPUREZAS DO BRANCO - Carlos Drummond de Andrade
  • BARCA DOS SENTIDOS - Francisco Carvalho
  • BICHO PAPEL - Régis Bonvicino
  • CANTATA - Yeda Prates Bernis
  • CANTIGA DE ADORMECER TAMANDUÁ E ACORDAR UNS HOMENS - Pascoal Motta
  • CENTRAL POÉTICA - Lêdo Ivo
  • CONVERSA CLARA - Domingos Pelegrini Jr.
  • CRIME NA FLORA - Ferreira Gullar
  • DICIONÁRIO MÍNIMO - Fernando Fábio Fiorese Furtado
  • DIÁRIO DO MUDO - Paulinho Assunção
  • DUAS ÁGUAS - João Cabral de Melo Neto
  • FINIS TERRA - Lêdo Ivo
  • GUARDANAPOS PINTADOS COM VINHO - Jorge Tufic
  • INVENÇÃO DE ORFEU - Jorge de Lima
  • LAVRÁRIO - Márcio Almeida
  • NOVOS POEMAS - Jorge de Lima
  • O ESTRANHO CANTO DO PÁSSARO - Célio César Paduani
  • O ROMANCEIRO DA INCONFIDÊNCIA - Cecília Meirelles
  • O SONO PROVISÓRIO - Antônio Barreto
  • OS MELHORES POEMAS DE FERREIRA GULLAR - Ferreira Gullar
  • PASTO DE PEDRA - Bueno de Rivera
  • POEMA SUJO - Ferreira Gullar
  • POEMAS REUNIDOS - João Cabral de Melo Neto
  • POESIA REUNIDA - Jorge Tufic
  • RETRATO DE MÃE - Jorge Tufic
  • VER DE BOI - Pascoal Motta
  • VIANDANTE - Yeda Prates Bernis