01/03/2008

AINDA, A POESIA

POESIA É O ESQUELETO QUE DESABA / DA NOITE QUANDO A CHUVA / CRIVADA DE FARÓIS.

27/02/2008

GÊNESE DE PABLO

Geraldo Reis

não salsugem o rio
que é dele
o mar que amanhecemos

pois o rio
vai sem bridges

d
e
s
c
e
n
d
e
n
d
o

ou estirando no varal do tempo
nossa carne: roupa-em-retalho

(o homem é o galho
espantalho e tempo)

não solarpem o peixe
que a moenda
é dádiva a contento
acupuntura e frio
que o rio tece

d
e
s
c
e

meu desespero e brio

não sulfurem minhas acnes
não securem minhas veias
que rio sou de humano
no gestar sementes.
-------------------------------------------------------------
Antologia Poética 2
INTERLIVROS - MG / 1977 - pág. 81 e 82

MEU POEMA

Geraldo Reis

Meu poema faço todo com palavras
Minado eu tenho o peito
Pise com cuidado.

Minha poesia
Cabo novo de enxada
É o que me agrada

E meu poema
Briga de coisa no escuro
Me habita todo e fantasma.

Só a poesia me sabe os meus melindres

Faço uma rodilha e boto na cabeça
Carrego o feixe de lenha de palavras
Para o fogão do sobre-humano espanto.

METANÁUTICA

Geraldo Reis

água
vela
corpo e destino

rio
barco
ela e menino

e duro e dar-te
e vento e vela
e corpo e charco
e eu e ela

triste é o destino das águas
enquanto rio
e o destino do rio
enquanto vento
triste o destino do vento
enquanto barco
e o destino do barco
enquanto vela

e eu e ela
e duro e dar-te
e cio e cela

enquanto barco preciso
içar as velas de cio
enquanto vela procuro
amar-te em corpo e escuro
enquanto corpo resolvo
andar-te em duro e durar-te.
Pág. 84/85 ANTOLOGIA POÉTICA 2
Interlivros-MG / 1977.

POESIA BRASILEIRA IMPRESCINDÍVEL

  • A CONTINGÊNCIA DO SER - Célio César Paduani
  • A INSÔNIA DOS GRILOS - Jorge Tufic
  • A ROSA DO POVO - Carlos Drummond de Andrade
  • A SOLEIRA E O SÉCULO - Iacyr Anderson Freitas
  • ARTEFATOS DE AREIA - Francisco Carvalho
  • AS IMPUREZAS DO BRANCO - Carlos Drummond de Andrade
  • BARCA DOS SENTIDOS - Francisco Carvalho
  • BICHO PAPEL - Régis Bonvicino
  • CANTATA - Yeda Prates Bernis
  • CANTIGA DE ADORMECER TAMANDUÁ E ACORDAR UNS HOMENS - Pascoal Motta
  • CENTRAL POÉTICA - Lêdo Ivo
  • CONVERSA CLARA - Domingos Pelegrini Jr.
  • CRIME NA FLORA - Ferreira Gullar
  • DIÁRIO DO MUDO - Paulinho Assunção
  • DICIONÁRIO MÍNIMO - Fernando Fábio Fiorese Furtado
  • DUAS ÁGUAS - João Cabral de Melo Neto
  • FINIS TERRA - Lêdo Ivo
  • GUARDANAPOS PINTADOS COM VINHO - Jorge Tufic
  • INVENÇÃO DE ORFEU - Jorge de Lima
  • LAVRÁRIO - Márcio Almeida
  • NOVOS POEMAS - Jorge de Lima
  • O ESTRANHO CANTO DO PÁSSARO - Célio César Paduani
  • O ROMANCEIRO DA INCONFIDÊNCIA - Cecília Meirelles
  • O SONO PROVISÓRIO - Antônio Barreto
  • OS MELHORES POEMAS DE FERREIRA GULLAR - Ferreira Gullar
  • PASTO DE PEDRA - Bueno de Rivera
  • POEMA SUJO - Ferreira Gullar
  • POEMAS REUNIDOS - João Cabral de Melo Neto
  • POESIA REUNIDA - Jorge Tufic
  • RETRATO DE MÃE - Jorge Tufic
  • VER DE BOI - Pascoal Motta
  • VIANDANTE - Yeda Prates Bernis