08/02/2011

QUASE POEMA DE NATAL

Geraldo Reis


Branca,
a túnica é indivisível.

E é multiplicada
E é multiplicadora.

Todos a recebem por inteiro
no dia do próprio nascimento
ao aviso de que devem mantê-la acesa
para que o Menino,
rompendo o ventre das Trevas
reine por inteiro o tempo todo.

Mas um dia ...
(Ah, sempre tem “um dia”)
alguém se descuida,
e a Luz
ficando longe,
pálida,
úmida
(a Luz detesta umidade)
apaga-se,
trancando-se depois, como o sol,
no enferrujado baú de um dia findo.

Com seus elmos arrefecidos à sombra
de uma oliveira já vencida de cansaço
a milícia romana se refaz em festa
e alguns soldados procuram desmatar o mito:

há que dividir-se
(por que não?)
a túnica indivisível.

Ao redor do fogo frio
e da geometria de um deus em desatino
a reboque de um menino extenuado
ouve-se próximo
o grito desnatalizado das hienas
que levará dos homens todos
o derradeiro Natal.

A despeito, porém, das hienas
e dos soldados e dos gritos
e dos ásperos caminhos arrepanhados de luz
há de renascer o Menino eficiente
por inteiro
com a sua túnica indivisível
em desfavor da flor enriquecida de urânio
e em favor de uma única pétala de paz.

POESIA BRASILEIRA IMPRESCINDÍVEL

  • A CONTINGÊNCIA DO SER - Célio César Paduani
  • A INSÔNIA DOS GRILOS - Jorge Tufic
  • A ROSA DO POVO - Carlos Drummond de Andrade
  • A SOLEIRA E O SÉCULO - Iacyr Anderson Freitas
  • ARTEFATOS DE AREIA - Francisco Carvalho
  • AS IMPUREZAS DO BRANCO - Carlos Drummond de Andrade
  • BARCA DOS SENTIDOS - Francisco Carvalho
  • BICHO PAPEL - Régis Bonvicino
  • CANTATA - Yeda Prates Bernis
  • CANTIGA DE ADORMECER TAMANDUÁ E ACORDAR UNS HOMENS - Pascoal Motta
  • CENTRAL POÉTICA - Lêdo Ivo
  • CONVERSA CLARA - Domingos Pelegrini Jr.
  • CRIME NA FLORA - Ferreira Gullar
  • DIÁRIO DO MUDO - Paulinho Assunção
  • DICIONÁRIO MÍNIMO - Fernando Fábio Fiorese Furtado
  • DUAS ÁGUAS - João Cabral de Melo Neto
  • FINIS TERRA - Lêdo Ivo
  • GUARDANAPOS PINTADOS COM VINHO - Jorge Tufic
  • INVENÇÃO DE ORFEU - Jorge de Lima
  • LAVRÁRIO - Márcio Almeida
  • NOVOS POEMAS - Jorge de Lima
  • O ESTRANHO CANTO DO PÁSSARO - Célio César Paduani
  • O ROMANCEIRO DA INCONFIDÊNCIA - Cecília Meirelles
  • O SONO PROVISÓRIO - Antônio Barreto
  • OS MELHORES POEMAS DE FERREIRA GULLAR - Ferreira Gullar
  • PASTO DE PEDRA - Bueno de Rivera
  • POEMA SUJO - Ferreira Gullar
  • POEMAS REUNIDOS - João Cabral de Melo Neto
  • POESIA REUNIDA - Jorge Tufic
  • RETRATO DE MÃE - Jorge Tufic
  • VER DE BOI - Pascoal Motta
  • VIANDANTE - Yeda Prates Bernis